Rádio Brasil Campinas | AM 1270

Por Luiz Felipe Leite

Ex-presidentes defendem as vacinas contra a Covid-19; trio evita críticas ao Governo Bolsonaro

Os ex-presidentes José Sarney, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer participaram, no começo da tarde desta segunda-feira (25), de um ato em prol da vacinação contra a Covid-19. O trio foi convidado pelo governador de São Paulo, João Dória (PSDB), pra que se posicionasse publicamente a favor da imunização e das orientações das autoridades em saúde contra a disseminação do vírus, como o uso de máscaras, o distanciamento social, a higienização constante das mãos, entre outras. No encontro eles evitaram críticas ao presidente Jair Bolsonaro ou ao Governo Federal.

O ato foi realizado, em meio ao aniversário de 467 anos de fundação da cidade de São Paulo, no Palácio dos Bandeirantes, sede do Governo Paulista, e transmitido pela internet. O objetivo da ação foi incentivar a população a aderir a vacinação contra o novo coronavírus, por meio da Coronavac e de outras vacinas, como a de Oxford. 

Primeiro a falar na ocasião, o ex-presidente José Sarney, que tem 90 anos de idade e está isolado, junto da esposa, em Brasília, pediu que a população se una em prol da vacinação.

O ex-presidente Michel Temer, que tem 80 anos de idade e está isolado na casa onde mora, em São Paulo, reforçou que é possível recuperar a economia, mas não as vidas perdidas por causa da pandemia da Covid-19.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, com 89 anos, afirmou não ter visto nada parecido com a Covid-19, nem na época da Segunda Guerra Mundial. Ele também disse que a sociedade precisa se atentar às orientações dos profissionais de saúde e que se preocupa com aqueles e aquelas sem moradia, e portanto, não tem como se isolar em meio à pandemia.

Também foram convidados, segundo o governador João Dória, os ex-presidentes Fernando Collor de Mello, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Eles, no entanto, recusaram participar do ato. Dilma e Lula disseram ser favoráveis às vacinas e que irão esperar pra serem vacinados. Já o ex-presidente Collor não se posicionou publicamente se pretende tomar algum imunizante, apesar de ter publicado textos enaltecendo as vacinas e as ações dos profissionais de saúde. Os três têm mais de 70 anos de idade.

Imagem: Assessoria de Comunicação do Governo de São Paulo

Deixe o seu comentário

* campos obrigatórios.

Notícias em 30