Rádio Brasil Campinas | AM 1270

Por Laila Cruz

Neurocirurgião diz que devemos agir o mais rapidamente possível, afinal “tempo é cérebro”

A infecção por coronavírus ou a Covid-19 vem mostrando que pacientes podem apresentar quadros diversos, o que se torna um desafio no dia a dia dos hospitais. Existem vários relatos de formação de coágulos sanguíneos no organismo em pacientes infectados.

Os coágulos sanguíneos ou chamados também de trombos, são preocupantes. Eles podem levar a consequências graves, pois podem ir para as veias dos pulmões, levando à embolia pulmonar; coágulos formados no sistema arterial podem levar a infartos, AVC e isquemia arterial de algum membro.

É bem compreensível que algumas pessoas fiquem relutantes em ir aos hospitais neste período da pandemia da Covid-19, mas quando suspeita-se de sinais e sintomas de Acidente Vascular Cerebral (AVC), as consequências de um atraso no diagnóstico e no tratamento neurológico podem ser sérias.

A afirmação é do neurocirurgião, Wanderley Cerqueira de Lima, que é coordenador de uma das equipes de neurocirurgia da Rede D’or de Hospitais e atua também no Hospital Israelita Albert Einstein, com mais de 30 anos de experiência em neurologia e neurocirurgia em entrevista ao programa Manhã Brasil.

“Por exemplo, se tem um familiar que está diferente, não fique em casa, procure uma ajuda porque hoje todos nós, não queremos sair, imagina se você fica em casa, acontece um problema neurológico, um AVC. Nós sabemos que tempo é cérebro, quanto mais rápido você agir, menos danos cerebrais você vai ter, menos sequelas você vai ter.”

 

Ouça a entrevista completa acima

Deixe o seu comentário

* campos obrigatórios.

Panorama Regional