Rádio Brasil Campinas | AM 1270

Por Felipe Zangari

Reflexão Dom João Inácio – 04-04-20

Acompanhe a mensagem do nosso Arcebispo neste sábado.

“Paz e benção saúdo vocês, de modo particular você, cada um de vocês, então saúdo o senhor a senhora, as pessoas com mais idade, que tem mais sabedoria, mais experiência de vida, já viveram mais dias nesse mundo, esse mundo tão bonito criado por Deus e tão belamente adornado, queria saudar também as crianças, Felipe abraço também a sua equipe que Deus os abençoe e por falar em mundo belo, eu nunca escutei os pássaros cantar tanto quanto nesses dias, ontem até uma coruja apareceu aqui na minha horta.

Eu já falei quando nós estávamos reunidos na coletiva de imprensa da Campanha da Fraternidade, a nossa mãe terra, hoje, está produzindo comida o bastante para quase 12 bilhões de pessoas poderem se alimentar e nós não temos 8 bilhões hoje no mundo. Então eu sempre gosto de recordar isso para nós nos darmos conta como nós temos fartura nesse mundo e eu digo isso porque nesses tempos muitos grupos, muitos movimentos, estão articulando e estão fazendo o melhor de si para ajudar as pessoas que não tem o que comer.

E aqui na nossa Arquidiocese são muitos os Padres que me enviam fotos, pequenos áudios, mas é mais fotos e algum texto curto de como estão conseguindo se articular se organizar para ajudar as pessoas ali do território da sua paróquia, para que todos possam ter o necessário para ter uma vida digna e eu agradeço muito aos párocos que estão se articulando, que estão mobilizando as forças vivas, ativas ali da paróquia para dar o melhor nesse momento. Nós precisamos nessas horas despertar o melhor em nós e despertar o melhor nos outros, de modo particular nas lideranças, é hora de nós nos unirmos todos, nessas horas não importa de que modo nós acreditamos, nessas horas todos nós somos chamados a dar de nós em benefício dos outros.

No evangelho que hoje nós lemos, estamos lendo João, a continuidade da ressurreição de Lázaro e nesse texto de Lázaro que foi lido domingo passado, nós estamos lembrado e ali o resumo era, que Jesus dá a vida e por isso recebe a morte, recebe o decreto da morte, e nós também vimos naquele texto, o tema daquele texto seria um pouco da seguinte maneira, a fé em Jesus, é necessário ter fé em Jesus e quem é Jesus?Ressurreição, a ressurreição e a vida. E no texto que nós lemos então domingo passado, tudo se move, se você ler de novo o texto tem movimento, tudo de move, até Lázaro se move. Então é a vida que está em movimento, e esse movimento, ele termina onde? Na rigidez cadavérica do túmulo, rigidez cadavérica, cadáver, não sei se você sabia disso, cadáver vem de cadere, latim, que ter dizer, aquele que caiu para sempre.

Todo o movimento um dia será apedrejado, virará pedra, Lázaro já está dentro da pedra, os outros por enquanto estão fora, esperando para entrar, agitam-se por isso, para tirá-lo de lá, porque não querem entrar onde ele está. Só a chegada da palavra, que é Jesus, é capaz de mudar essa situação, e no texto de hoje, então que é continuação desse texto de Lázaro, Caifás, que é o sumo sacerdote, ele interpreta o desejo geral, e o seu argumento é claro, se Jesus é possuido pelo demonio, ou se foi mandado por Deus, isso pouco importa, uma coisa só é certa, é melhor para nós morrer um só homem pelo povo do que perecer a nação inteira. Em outras palavras, inocente ou culpado, Jesus deve ser sacrificado a razão de estado, o bem comum está acima da justiça para como indivíduo.

Mas São João, nosso evangelista, ele lê a história numa luz superior, e ele lê das palavras de Caifás, pronunciadas, ele enquanto sumo sacerdote, uma verdadeira profecia. Jesus morrerá, mas a sua morte dará vida ao novo povo, ao novo povo que acolherá juntamente, homens de todas as raças, culturas e nações, pela sua morte, a salvação será acessível a todos. Desta maneira na decisão do sinédrio emerge misteriosamente o desígnio do Pai, que deseja reunir os seus filhos dispersos no seu filho crucificado. Terminando, Jesus é a ressurreição e a vida, Ele é a ressurreição e a vida dos que creem nEle, dos que se entregam a Ele de corpo e alma, aderindo a Ele com todas as suas energias, identificando nEle, e com sua proposta de vida, para a vida e para a morte.

Que Deus abençoe você, a sua família, seus trabalhos nesse dia, também abençoe as pessoas que estão nos nossos hospitais, lembro me de maneira muito concreta do nosso hospital da PUC, mas de todos os hospitais, que a graça e a força esteja com todos que ali trabalham, abençoado dia, que por intercessão de Nossa Senhora a força, a graça e a benção de Deus todo poderoso que é Pai, Filho e Espírito Santo desça sobre você e a sua família e ali permaneça para sempre. Amém!”

Brasil Memória 70 Anos