Rádio Brasil Campinas | AM 1270

Por Luiz Felipe Leite

Região de Campinas deve continuar na fase laranja da retomada, estima o Governo de São Paulo

O Governo do Estado de São Paulo estima que, se mantidos os atuais índices e critérios do Plano São Paulo de retomada gradual das atividades não essenciais, a região de Campinas deve se manter na fase laranja à partir da próxima semana. Ou seja, com uma série de restrições. A tendência foi divulgada no começo da tarde desta quarta-feira (3), em uma coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, sede do Governo de São Paulo.

A fase laranja, também chamada de etapa de controle ou segunda fase, permite que as prefeituras possam retomar, com restrições, comércios em geral, shoppings, escritórios, concessionárias de veículos e atividades imobiliárias. Os demais serviços não essenciais continuam fechados, pra evitar uma maior disseminação do novo coronavírus.

Segundo a equipe do Governo do Estado, a reclassificação, que será divulgada na próxima quarta-feira (10), vai levar em conta os dados desta semana em comparação as informações da semana que vem. As reclassificações serão feitas de 15 em 15 dias.

A mudança de uma fase pra outra, considerando que existem cinco no total, vai ser determinada pelo acompanhamento semanal da média da taxa de ocupação de leitos de UTI exclusivas para pacientes com coronavírus e o número de novas internações no mesmo período. Uma região só poderá passar a uma reclassificação de etapa com os indicadores de saúde estáveis.

De acordo com a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado, Patrícia Ellen, os resultados do Plano São Paulo já começaram a aparecer. “A tendência na média que vocês verão é que a maioria das regiões irá manter as classificações que têm hoje, se os indicadores também mantiverem o mesmo comportamento desta semana na semana que vem. Então aqui fica bem claro, com a análise de tendência, como é que é a aplicação prática do plano. É pra gente ver o que tá sendo feito nas últimas semanas, se vai ser mantido, ou se a gente precisa endurecer as medidas ou se há um espaço pra flexibilizar”, explicou.

Na mesma coletiva de imprensa foi anunciada a prorrogação no abastecimento ininterrupto de água e gás natural, em caso de inadimplência, até o dia 31 de julho. O Governo de São Paulo informou que negocia a extensão da medida pro fornecimento de energia elétrica. O foco dessas medidas, segundo o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado, Marcos Penido, é proteger as pessoas, principalmente as mais carentes. “Garantir a água, o gás e a energia é garantir o sustento e garantir a vida. Não adianta nós simplesmente levarmos alimentos e não termos condições de cozinhar ou de termos a vida dentro do seu ambiente”, enumerou.

Uma nova coletiva de imprensa pra apresentar mais dados do novo coronavírus no Estado de São Paulo deve ser feita na tarde desta quinta-feira (4).

Deixe o seu comentário

* campos obrigatórios.

Brasil Agora 1ª Edição