Rádio Brasil Campinas | AM 1270

Por Luiz Felipe Leite

Uso de máscaras vai ser obrigatório em todo o Estado de São Paulo à partir de quinta-feira; João Dória chamou de ‘milicianos ideológicos’ quem participou dos protestos antidemocráticos do último FDS

O Governo de São Paulo vai obrigar, à partir da próxima quinta-feira (7), o uso de máscaras de proteção individual em todo o Estado por quem circular em espaços públicos. O decreto foi anunciado no começo da tarde da última segunda-feira (4), durante uma coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, sede do Governo Paulista.

O objetivo da ação é ajudar a conter a pandemia do novo Coronavírus, que já teve no Estado, até o fechamento desta reportagem, mais de 31,7 contaminações e 2,6 mil mortes. O uso de máscaras individuais de proteção passou a ser obrigatório pra passageiros do transporte público estadual nesta segunda. Já a regulamentação do uso das máscaras em todo o Estado vai ser de responsabilidade das prefeituras.

Segundo o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), prefeitos e prefeitas do Estado vão ter de definir nos próximos dias uma série de normas pra garantir o cumprimento do novo decreto.

Outro assunto abordado durante a coletiva de imprensa foram as manifestações antidemocráticas que aconteceram no último fim de semana em todo o País, em especial no último domingo (3), em Brasília. Na ocasião alguns manifestantes se reuniram em frente do Palácio do Planalto pedindo o fechamento do STF, que é o Supremo Tribunal Federal e do Congresso Nacional. Demandas, que segundo a Constituição, são ilegais.

O presidente Jair Bolsonaro esteve no evento, onde interagiu com manifestantes, que agrediram alguns jornalistas que cobriam a manifestação.

O governador de São Paulo, João Dória (PSDB), classificou os manifestantes como ‘milicianos ideológicos’.

Mais informações sobre o decreto que obriga o uso de máscaras de proteção individual nos espaços públicos do Estado de São Paulo estão no site saopaulo.sp.gov.br

Deixe o seu comentário

* campos obrigatórios.

Acorda Brasil